Guerra, Peste e Fome – Resumo semanas 8 e 9

O mercado é muito inconstante e muito irracional para oferecer qualquer segurança ao investidor.” – com estas palavras do grande Gerald Loeb, investidor das antigas, sobrevivente de 1929, temos que entender as últimas duas semanas, este início de Quaresma que, como diz a tradição popular, o Diabo anda solto. Arrependei-vos, e crede no Evangelho.

Guerra

A bello peste et fame, libera-nos Domine. Guerra sempre temos nossa cota. O Oriente Médio de tempos em tempos inflama. Era o Irã e seu general, agora o conflito da Síria com a Rússia e Turquia, esta última, alquebrada economicamente, entrando para passar vergonha. Coréia do Norte é uma fonte de tensão até o Fim dos Tempos. Politicamente, a esquerda sempre apronta. Esta semana a Gare de Lyon, tradicional rodoviária parisiense, ardeu em chamas em revoltas de imigrantes. No Chile, mal noticiado ainda, black blocks queimam igrejas e museus para impelir uma malfadada reforma constitucional da qual coisa boa não pode sair.

No Brasil, um golpe parlamentar liderado por Rodrigo Maia, Davi Alcolumbre sob com os aplausos da Suprema Corte e da imprensa venal sem verbas públicas, quer arrancar o orçamento do Executivo. Apenas a revolta popular, marcada para 15 de março de 2020, pode deter este golpe. Cuidado com os idos de março. Guerra.

Nos Estados Unidos, o maluco Bernie Sanders completa a transição do Partido Democrata para o Partido Comunista dos EUA. Se os democratas tiverem bom senso vão puxar seu tapete como fizeram em 2016 para que Hillary Clinton se candidatasse. O velho comunista, um Júlio Prestes gringo do establishment, talvez seja o adversário ideal de Trump à Casa Branca.

Peste

O coronavírus SARS 2.0 transbordou a China – já arruinada a cadeia de suprimentos mundiais – e atingiu em cheio a Coréia do Sul, Itália e o Irã. Quanto ao Irã é difícil saber, mesmo o Ministro da Saúde pegou, o regime fechado desfavorece a divulgação da verdade. Notícias de brutal incompetência no manejo do vírus são frequentes. A Coréia do Sul vai mal, relatos de um hospital psiquiátrico inteiro contaminado por conta de uma única faxineira contaminada.

A Itália foi particularmente grave, não só o papa está com suspeitas de ter contraído como foi na Itália onde o primeiro caso no Brasil pegou. O coronavírus é como macarrão, foi inventado pelos chineses, mas quem espalhou no mundo foram os italianos.

Sim, temos coronavírus no Brasil, nosso paciente zero o trouxe da cara Itália. Ao contrário da Rússia, pomos nossas esperanças no General Verão, o calor detém o vírus que, aparentemente, não gosta de climas quentes. Mas o inverno vem ai. Os países lutam contra a disseminação interna: enquanto os casos são apenas de pessoas que viajaram para países atingidos vá lá, quando dentro do pais começa a haver transmissão, a coisa fica feia.

As notícias do coronavírus são preocupantes: pacientes com alta voltam a testar positivo para o vírus, notícias de cachorros contraindo, casos negativos viram positivos, período contagioso assintomático, transmissão interna nos Estados Unidos, toda a Europa se contaminando, e assim vai. A África subsaariana já tem coronavírus na Nigéria, e – desagradável relembrar isso – da África vieram para o Brasil a já histórica Febre Amarela, e agora a Febre Chico Cunha (Porque Chikungunya é horrível de dizer) e Zica (Nome auto-explicativo). Sem contar o reforço de doenças sexualmente transmissíveis (AIDS e sífilis) favorecidas pela absoluta permissividade de costumes modernos de uma geração sem moral. Foi Deus ainda que manteve o ebola – nunca resolvido – fora de nossas fronteiras. Como se Dengue, Malária e Doença de Chagas não fossem o bastante!

Muitos se apegam a uma falsa segurança com a letalidade baixa do coronavírus, o que é uma besteira. Se ele é tão contagioso, a baixa letalidade ainda assim gerará muito mais mortes em termos absolutos. É uma questão de esperança estatística, probabilidade multiplicada por eventos. Mais gente infectada, mais mortes em termos absolutos, o que é mais que suficiente para uma catástrofe. Que a gripe mate, ela dá a volta ao mundo em quatro semanas se espalhando assintomática? Além do mais, quanto mais gente infectada maiores chances de mutação e reinfecção, arruinando vacinas, diagnósticos e imunidade. Lembrem-se da nossa dengue, pegar a primeira é razoável para se curar, a segunda vez costuma ser mortal.

Ah, mas mata mais idosos“, argumentam – ó gente eternamente jovem, geração de Peter Pan, que não tem avós, nem pais, nem sequer, como este que vos escreve, está já com as têmporas encanecidas…

Fome

Chineses trancafiados em suas casas pelo distópico governo comunista passam fome. E pensar que a Organização Mundial da Saúde louva o governo de Pequim pela sua resposta à peste… Finalmente o mercado financeiro percebeu o tamanho da catástrofe e caiu, caiu feio, na pior semana desde 2008. Mas semana que vem está ai para bater 1929, um doente de cada vez. Investidores passam fome. Mas é muito bonito ver gente batendo no peito dizendo que não caiu nada e que continuam comprando.

As quedas da Bolsa americana ocorreram muitas no feriado do Carnaval, e na quarta-feira de cinzas nossa Bolsa abriu entregando. Não adianta, o primeiro trimestre de resultados está perdido. Por mais que tentem se enganar que a economia chinesa até pode se recuperar rapidamente, se o vírus é uma ameaça mundial, ela vai se recuperar para quem? O índice de volatilidade subiu mais de 50% esta semana. Volatilidade é vida, mas infelizmente ela só é lembrada quando desce de elevador, quando sobe de escada a volatilidade quase não se mexe.

O mundo ocidental livre percebe agora o perigo e a tolice que foi deixar toda sua cadeia de suprimentos nas mãos da China. Esta não foi burra, e subiu de nível na cadeia, não sendo apenas uma produtora de commodities (tipo o Brasil), mas industrializando-se. Ou seja, a Apple perdeu 105 bilhões em valor de mercado porque não consegue mais fabricar seus iphones na China. E farmacêuticas nos EUA e Índia começam a ficar sem matérias primas. Não há onde correr. Mesmo quem produz na Coréia ou Vietnã tem de comprar coisas da China. O problema apertando, a China se fecha para atender ao seu mercado. Farinha pouca meu pirão primeiro. Por farinha entenda-se desde fármacos até terras raras. Afinal, se grande parte da indústria base lá está, a China importa muito pouco, e todos nós compramos dela. O Ocidente paga caro sua dependência.

A propósito, o governo chinoca proibiu short na Bolsa de Xangai. Não precisa comentar nada sobre a justeza da formação de preços, não? Que belo castelo de cartas erigido sobre fundamentos que se corroem…

No desespero até o ouro cai. Os investidores precisam vender o que tem para responder as suas obrigações. Ouro é porto seguro nas crises, mas quem está em crise não pode se dar ao luxo de ter ativos. Em tempo, o rei dólar subiu no mundo todo, quem diria? Reassumindo no desespero sua posição de reserva de valor, talvez não vejamos a morte do dólar em nossa geração.

Mas no fundo da caixa de Pandora restou a esperança. Tanto a Bovespa como a NYSE terminaram um um belo martelo sexta. Indica esgotamento da baixa. Mas como acreditar na análise técnica no meio de um pandemia???

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *