A ilusão do aumento

TV dinheiro inflação

Suponha um profissional que receba seus R$ 10.000 por mês, totalizando R$ 130.000 anuais (porque temos nosso 13º bem brasileiro, esta linda jaboticaba). Como na vida tudo é inevitável, menos o imposto, já vamos grosso modo pôr os 27,5% do Imposto de Renda da Pessoa Física nesta renda bruta sem as sutilezas da declaração e sem abates de INSS. Afinal, o que abate ali na tributação do IPRF o ICMS come ali no consumo. Logo, renda líquida anual de R$ 94.250.

Na virada do ano, o patrão chama e – honra ao mérito! – disse que vai dar um aumento de 3%. É pouco, mas de coração, diz o chefe. O profissional vai para casa todo feliz contar os cobres. Logo, o salário bruto vai para R$ 133.900 anuais, o líquido anual fica em R$ 97.077,50.

Ganho de R$ 2.827,50. Dá para comprar uma bela TV 4K, não???  Black Friday, tudo pela metade do dobro, ai vai ele!

Só que, ó tempos, ó costumes!!! A inflação foi de 4,5% naquele ano. Ou seja, para manter o poder de compra, o salário bruto teria de ter sido TV dinheiro inflação ilusão aumentode R$ 135.850,00, um líquido de R$ 98.491,25. Ou seja, houve uma PERDA DE PODER DE COMPRA de R$ 98.491,25-97.077,50=R$ 1.413,75. 

Na prática é como se o salário fosse reduzido em R$ 1.400 reais, mesmo com o aumento. Sem o aumento, pior ainda, R$ 4.241,25 de perda no poder de compra no salário líquido. É como se o nosso autor ganhasse numa moeda pouco inflacionária, tipo o franco suíço, os preços fossem mantidos e nosso herói recebesse no final do ano não um aumento, e sim uma diminuição de salário. Revoltante, não? Mesmo para um suíço…

E a TV de R$ 2.800,00? Com a inflação, a despeito do aumento, no ano seguinte, em média, mantendo as mesmas condições, ela custaria R$ 2.926,00. Seu salário nominal não muda, é a TV quem sobe.

O leitor deve estar lamentando seu destino ao saber que na carteira de trabalho seu salário está fixo, e, a despeito dos esforços, não recebe aumento de mérito no final de ano e já está feliz por não ser demitido. Tem os dissídios para repor as perdas, outra jaboticaba brasileira de memória inflacionária. A simples constatação empírica da realidade sabe que poucas categorias conseguem repor a inflação nos dissídios. Aliás, dissídios são o tipo de remédio que agrava a doença.

Ter dinheiro, meu amigo, é como estar parado numa escada rolante descendo. Você tem de subir para ficar no mesmo lugar. Ainda voltaremos neste tema. Aliás, voltaremos sempre. De falar de inflação jamais nos cansaremos.

 

 

 

 

 

   Send article as PDF   

1 thought on “A ilusão do aumento

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *