Meu Bem, meus bens

sem bens

Os bens são necessários do corpo humano. De fato, existem bens intelectuais, morais e espirituais, porém sem dúvida são campos de outros planos. Os bens que neste blog nos referimos são físicos, você morre e deixa eles aqui na Terra, preferencialmente para seus herdeiros e beneficiários (não havendo, para o Município, o que é terrível). Cuidar dos bens é cuidar também da família, você quer deixar seus herdeiros e familiares em situação favorável. Portanto não é a idade avançada que faz um homem descurar do dever de manter seus bens. Aliás, de tal forma é exponencial os gastos com saúde na velhice que mais do que nunca é necessário ter muitos bens na terceira idade apenas para pagar as contas.

Roupas

Os bens são necessários para o ”bem” de nosso corpo. Um exemplo simples de bem, nossas roupas. Todo mundo tem roupa. Todo mundo precisa de roupa. É um bem que protege o corpo do frio, sol, das intempéries, de ferimentos, até mesmo o bem moral do pudor. Por mais miserável e famélico que um pobre seja, dificilmente veremos um mendigo nu, sempre há quem doe roupas, de tal forma é insuportável ao homem estar nu, mesmo que estaja sem casa e sem comida. Definitivamente, roupas são os primeiros bens. E são bens consumíveis com o uso, desgastam e tornam-se rasgadas e rotas. Devem ser repostas, com o consumo de outros bens. Mais precisamente, são trocadas pelo bem dinheiro.

Imóveis

Um grande bem que é necessário ao corpo do ser humano é uma casa, uma moradia. A hora de dormir somos indefesos, nós necessitamos nossa casa que nos abrigue no sono, mesmo os animais têm suas tocas. Quem quer que seja pego debaixo do Sol inclemente, ou da chuva, ou mesmo do frio enregelante sabe se é necessário tem uma casa.

Imóveis além de bens de uso, são de fato uma também um investimento. Todos nós temos que morar em algum lugar: ou nós moramos em algum lugar de alguém, que seja de nossa família ou alugado, ou ainda nosso mesmo, como felizes proprietários. Em qualquer época da história ter um imóvel gera ter rande bem porque o imóvel não é apenas a construção em cima, mas também aquele pedaço de chão que nunca um é igual ao outro. A necessidade de moradia é tão premente que uma das coisas que mais degradam o ser humano são as habitações coletivas onde não há dono.

Veículos

Um dos bens mais comuns como necessidade são veículos. Um automóvel não é necessariamente um bem em relação à preservação de valor, como máquina sofre depreciação, além do tempo também a quilometragem provoca desgaste. Então aquela expressão “envelheci porque andei por muitos por caminhos esburacados” é uma analogia com veículos. Como as vestes, veículos são bens de consumo, ainda que, dado seu valor remanescente, haja um animado mercado de compra e venda. Entretanto, para certas categorias de motoristas autônomos profissionais, ele é uma ferramenta, um ativo gerador de fluxo de caixa e de rendimentos.

Dinheiro

O bem por excelência é o dinheiro. Desde a invenção das primeiras moedas pelo afamado e lendário rei Creso da Lídia, o dinheiro é útil porque ele, além de depósito de valor, é unidade de troca. Dinheiro pode ser trocado por outro bem; então é muito mais fácil trocar bens por dinheiro e esse dinheiro por outros bens. É muito óvio e nós nos acostumamos desde cedo no início da civilização a registrar tudo em dinheiro. Quando falamos de bens basicamente estamos nos referindo ao seu valor, no Brasil, em reais. Bens são exprimíveis em sua transformação em dinheiro. E não necessariamente dinheiro físico, mas dinheiro em conta bancária.

Bens menos comuns são ativos financeiros como ações e títulos públicos, até mesmo ouro físico. Bens mais incomuns ainda são derivativos, direitos sobre uso, sobre créditos, penhor e gravames em outros bens.

De maneira bem simplista, os bens do mundo estão concentrados em três classes, depósitos bancários (dinheiro), imóveis e ações.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *