Série (quase)-moedas: Ouro

ouro

Episódio VIII – Ele é dinheiro

Há uns bons seis mil anos ouro é dinheiro. O ouro é um metal nobre, não oxida nem se perde, além de ser facilmente purificável. O ouro é extraído com técnicas muito simples da natureza. Ninguém joga fora ouro, então o ouro ativo financeiro sempre é somado. Os usos industriais destrutivos do ouro são desprezíveis.

Desde que o famoso rei Creso da Lídia cunhou as primeiras moedas, seu sucesso é indubitável. E com ele trás seus irmãos menores na numismática, Prata e Cobre; além de seus irmãos maiores na química, a Platina e o Paládio. O ouro não é a coisa mais valiosa do mundo, metais mais raros custam bem mais que ouro. Vá lá conseguir um quilo de Rutênio puro e depois veja quanto custa.

Não é que o ouro seja um investimento. O ouro é dinheiro. Numa situação de anarquia geral, o ouro terá curso, enquanto muitos papéis-moeda emperrarão.

A produção mundial de ouro é entre 2200-3200 toneladas na última década. Mesmo que as moedas mundiais seguissem o padrão-ouro, permitiria ainda um belo crescimento mundial e e evitaria as grandes especulações.

Hoje em dia nenhuma moeda mais segue o padrão-ouro, permitindo que governos sucessivamente destruam o poder de compra delas pela inflação. A maioria dos economistas dirá que o padrão-ouro é incompatível com a atual economia.

O grande problema é que o ouro não paga juros. Ele fica lá conservando seu valor em massa. Quando se diz que o ouro subiu, de 1200 USD/onça para 1300 USD/onça na verdade ele continuou no seu peso, foi o dólar (e com ele toda cesta de moedas do mundo) que desvalorizaram. Pense no ouro exatamente assim, ele é dinheiro da maneira mais bruta possível. Tenho 1g de ouro, e ponto final. Se a corretora de metais pagar R$ 156/g ou R$ 160/g, problema do real. Exceto na remota hipótese de você deixar cair na sua barra de ouro água régia (3 partes de ácido clorídrico para 1 de ácido nítrico) não haverá o que corroer o ouro como a inflação corrói o real.

Ah sim, o Brasil já teve muito ouro. Muito, muito, muito ouro. Mas não era tecnicamente do Brasil, porque o Brasil não existia. Era de Portugal, que legalmente civilizava estas terras. Deixemos de coitadismo de professor esquerdista da escola. Foi um ouro muito bem empregado, porque sua extração atraiu muita gente boa para estas terras, e mais tarde esta gente boa formou o Brasil. Portugal usou o ouro como moeda, e pagou suas contas com a Grã-Bretanha. Nas Grandes Guerras Mundiais, a Grã-Bretanha pagou aos EUA em ouro. Então provavelmente o ouro está nos EUA. E faz muito bem, já que foi o que segurou o paridade ouro-dólar do tratado de Bretton-Woods.

Leia mais sobre outras moedas:

Real Brasileiro

Dólar americano

Euro da União Européia

Libra britânica

Rublo russo

Yuan Chinês

Yen Japonês

Franco suíço

Outros

Direitos de Saques Especiais do FMI

Ouro

Bitcoin





4 thoughts on “Série (quase)-moedas: Ouro

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *